domingo, 17 de maio de 2009

Tempo

‘Eu gosto muito de você e vou seguindo te amando, do meu jeito.’
Não, por favor! Não me venha com algo tão pequeno novamente, porque eu sei que eu mereço mais. Me sinto indignada, raivosa. Como você pode pensar tão pacientemente? Como pode achar que a vida é eterna e temos todo tempo do mundo pra aproveitar e viver? Te digo que não é. Te digo que não sabemos o dia de amanhã, o que nos espera no futuro, e devemos, meu Deus, devemos correr e viver; viver tudo que pudermos.
Eu quero beber, eu quero cair, rir, chorar, dormir, amar, te amar. Quero aproveitar cada segundo do tempo, do nosso mísero tempo que nos foi dado.
Eu esperava, ao menos, que fosse próximo do seu pensamento, mas não. Você insiste em dizer que eu preciso ter fé, coragem, dar tempo as coisas. Meu tempo pode acabar, o seu pode acabar; e o que teremos feito? E o nosso amor terá sido concretizado? Materializado?
Eu sinto que as coisas estão se desgastando, aliás, estão desgastadas já, e sinceramente não quero isso. Eu não quero morrer sem te tocar, sem sentir seu cheiro, seu sabor, seu amor ardente e quente. Me permita ao menos isso, por favor!
Eu te amo! Isso, talvez nem o tempo consiga apagar, minimizar. E talvez seja só por isso que ainda tento, questiono, te cobro. Eu não sei mais o que fazer, e acredito que nem tenho, pois já fiz de tudo. Acho que, pode ser um pouco culpar você, as coisas estão nas suas mãos. Então faça, pelo amor que diz que sente por mim, faça. Mostre que você pode agora, e não mais tarde, amanhã, outro tempo. Ao menos comece, queira começar, já seria meio caminho percorrido, já seria metade do amor que você diz que sente, provado.

2 comentários:

♥bianka disse...

e acoisa mais linda q eu ja li parabens!gui...

Cristiana disse...

Muito lindo mesmo, parabéns!